IOTA

O que é IOTA?

maio 21, 2018 - 4:20 pm
Com foco na 'internet das coisas' (IoT), o IOTA se destaca por não usar como princípio de rede o Blockchain tradicional, base para o surgimento do Bitcoin e outras criptomoedas.

A criptomoeda para um futuro cada vez mais próximo

'Internet of things' é uma expressão que tem se expandido com força nos últimos anos entre as empresas de tecnologia. Basicamente, a 'internet of thing' diz respeito à comunicação inteligente entre dispositivos eletrônicos, seja em meio domiciliar ou profissional. O controle via smartphone do abastecimento da geladeira, ou o acionamento do sistema de entretenimento de uma casa momentos antes da chegada do morador, são apenas alguns exemplos deste conceito. Embora ainda esteja pouco presente no dia-a-dia, a 'internet of things' introduziu novas possibilidades no mundo da tecnologia, por enquanto inexploradas. É nesse contexto que surgiu o IOTA, uma criptomoeda que pretende estar na dianteira das inovações a vir. Apostando na previsão de que com o passar do tempo a 'internet das coisas' será calcada em micro transações financeiras, o IOTA apresenta um registro bastante leve, com escalabilidade e descentralização desenvolvidas especificamente para dispositivos inteligentes. Nesse sentido, o IOTA se destaca também por não ser baseado na tecnologia Blockchain. Ao contrário da vasta maioria das criptomoedas, como o Bitcoin, o IOTA utiliza uma derivação sua, o registro Tangle.

IOTA, uma criptomoeda promissora

Liderada pelo norueguês David Sønstebø, o IOTA foi criado em 2014. Embora seja um projeto descentralizado e open source, tem suas operações supervisionadas pela IOTA Foundation, uma organização sem fins lucrativos gerida por seus desenvolvedores. Apesar de focar em um mercado ainda a ser desenvolvido, o projeto promissor já foi reconhecido por especialistas em criptomoedas, atraindo a atenção de grandes publicações, como a Forbes. O entusiasmo com as possibilidade do IOTA é tanto que ela é um dos ativos mais valorizados do mercado. Aproveitando a onda de otimismo com criptomoedas, os tokens IOTA (IOT) chegaram a registrar no final de 2017 uma valorização acumulada de mais de 770%. Assim, atingiram um valor de mercado superior a US$ 12 bilhões. Atualmente, o valor de mercado é de cerca de US$ 4 bilhões.

O registro Tangle e obtenção de unidades IOT

Baseado no preceito de grafo acíclico dirigido (DAG), o Tangle foi criado com o intuito de facilitar transações máquina-máquina (M2M). Mais leve do que o Blockchain, o Tangle soluciona dificuldades de mineração e velocidade de transação em operações máquina-máquina, M2M. A saber, o IOTA também pode ser usado fora da 'internet of things'. É possível, entre outras, a criação de contratos inteligentes para o comércio de bens e serviços. Quanto à mineração, a agilidade do sistema IOTA e as baixas requisições de hardware dispensam o uso de equipamentos ASIC. No entanto, vale lembrar que todas as unidades IOT já estão em circulação. Logo, minerar no sentido de obter novas unidades, não é possível. Dessa forma, IOTs são comercializados em casas de câmbio especializadas em criptomoedas. A unidade de compra e venda é o MIOTA, que se refere a mil IOTs, devido ao seu baixo valor. Sites do tipo Faucet também oferecem IOTs como recompensa, porém de forma não oficial, o que pode significar propaganda enganosa.

Comentário

Notícias mais relevantes