Direito Digital

Um panorama sobre o mercado de criptomoedas no Brasil

maio 9, 2018 - 11:51 am
Olá leitores do Ucoinvest Brasil! Agora, quinzenalmente, temos um encontro marcado aqui na Ucoinvest para refletir um pouco mais sobre as inovações no setor financeiro, em especial aquelas impulsionadas pela tecnologia blockchain e, principalmente, com relação às criptomoedas. Para essa primeira coluna, me parece interessante traçarmos um panorama geral da posição brasileira no mercado das criptomoedas atualmente.  E para refletirmos sobre o cenário nacional, vamos focar em dois aspectos: as associações, que buscam dar força ao mercado de criptomoedas; e apontar algumas das principais iniciativas brasileiras disponíveis.

Associações brasileiras

Recentemente, em abril, foi anunciada a criação de duas associações ligadas à área das criptomoedas no Brasil. A primeira delas, chamada Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto), reúne as maiores exchanges do país e tem, basicamente, a função de defender os interesses do setor junto ao poder legislativo. Também no intuito de defender a posição das criptomoedas no Brasil, anunciou-se a criação da Associação Brasileira de Criptomoedas e Blockchain (ABCB), atualmente com dois membros centrais, a Atlas Project e a Thera Bank, mas que pretende reunir também exchanges que atuam no país (as negociações estão em curso, mas a intenção é anunciá-las ainda neste mês de maio). Além do lobby político, a ABCB visa criar ferramentas para tornar o mercado de criptomoedas mais seguro no país, auxiliando na identificação de fraudes e criando uma cartilha de procedimentos seguros para as negociações. Independente da distinção entre elas, tanto a ABCripto quanto a ABCB foram formadas no intuito primeiro de estreitar as conversas com o poder público, a fim de melhor guiar as definições legais e eventuais regulamentações, assim como a fim de promover o mercado de criptomoedas no país. Enfim, surgem para dar voz aos envolvidos nesse mercado – ao menos àqueles que possuem força perante as respectivas associações. Iniciativas brasileiras Diariamente, novas criptomoedas são criadas. Em consulta à CoinMarketCap na manhã de 9 de maio (o que pode mudar em questão de horas), há exatamente 1597 criptomoedas diferentes disponíveis ao redor do mundo. E o Brasil encontra algumas “representantes” dentre elas. Com propostas bem variadas, que vão desde a divulgação e apoio a canais no YouTube (Epacoin) até o incentivo à doação de sangue (Blood Donations Coin), o mercado de tokens e criptomoedas já conta com cerca de uma dezena de iniciativas brasileiras. Confira algumas: AUCTUS, MarketCash, Niobium, Nióbio Cash, Criptoreal, MarteXcoin, BZLcoin, Wcoin, RealBRL, eReal e Digimoney.

Em resumo...

Se levarmos em consideração esses dois pontos, podemos ver que o mercado brasileiro se encontra em pleno movimento, buscando aos poucos dar força às criptomoedas, independentemente de um impulso governamental, com quem, todavia, se tenta dialogar. No que tange às associações no setor, há quem considere que a criação de mais de uma delas seja benéfico ao mercado, visto que assim ampliará o diálogo em razão da pluralidade de envolvidos. Por outro lado, há aqueles que entendem que a existência de duas (ou mais) entidade representativa pode, na verdade, comprometer o avanço das discussões no setor, visto que cada uma buscaria defender os interesses de seus associados – o que, considerando a distinção de seus membros, podem ser conflitantes. Logo, um interesse comum, geral, poderia não ser privilegiado. Com relação ao segundo aspecto do mercado nacional apresentado, as iniciativas cripto brasileiras já existem, embora não ocupem uma posição de destaque no mercado mundial. Contudo, justamente em razão do elevado número de criptomoedas e tokens existentes na economia digital global, como visto, sabe-se que é realmente difícil atingir tais posições de destaque.  Levando isso em consideração, na próxima coluna, portanto, trataremos de expor os fatores mais comuns para o sucesso ou fracasso de uma criptomoeda atualmente. Até mais, Maria Godoy

Comentário

Notícias mais relevantes