Trading

Taxas de corretagem nas corretoras e impostos no Day Trade

julho 8, 2019 - 10:03 am
Para operar na Bolsa de Valores é preciso pagar algumas taxas. Saiba que a corretagem não é o único custo para investidores que compram e vendem ações no mesmo dia, com o objetivo de lucrar com as oscilações dos preços. Estamos falando do Day Trade, que é um dos métodos de investimento com maior potencial de retorno financeiro.

Como começar a investir no Day Trade?

Antes demais nada, é preciso abrir uma conta numa corretora de valores. Assim, terá acesso ao Home Broker, uma ferramenta muito útil que permite fazer transações de forma rápida por um baixo custo através do seu próprio computador ou smartphone.   Mas, vender e comprar no mesmo dia na Bovespa gera custos que não podem ser deixados de lado pelo investidor. Conheça agora as taxas de corretagem e impostos no Day Trade. 

1 - Taxa de corretagem

A taxa de corretagem é o principal custo do Day Trade. O investidor deve pagar esse valor para a corretora intermediar as transações na Bolsa de Valores. No entanto, o valor cobrado pode variar de acordo com a corretora, sendo que a forma mais comum de precificação é um valor fixo por operação de compra ou venda. Lote padrão a ser negociado: O trader tem um lote mínimo de ações a serem movimentadas tanto na taxa de corretagem fixa, como na variável. Na Bovespa, os lotes são padronizados e variam de 10 a 100 mil. Taxa de corretagem variável: Também chamada de Tabela Bovespa, essa taxa é cobrada de investidores que usam uma corretora para intermediar transações de compra e venda de um ativo em nome dele. Assim, à medida que os valores movimentados aumentam, também aumenta a taxa. Portanto, quanto maior é o investimento, maior é a taxa de corretagem. Taxa fixa: Nesse caso, a quantidade de ações ou contratos emitidos em uma ordem não interfere no valor da taxa porque é fixa.

2 - Emolumentos

Os emolumentos referem-se à liquidação e negociação. Trata-se das taxas sobre o volume negociado. A cobrança é feita pela Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC) e pela BM&FBOVESPA.

3 - Imposto sobre Serviço - ISS

Esse imposto é de natureza municipal e incide sobre a taxa de corretagem. O percentual é de 5%, sendo que o referencial é São Paulo.

4 - Taxa de custódia

Essa taxa é cobrada mensalmente no Day Trade para manter ativa a carteira de investimentos. Mas, algumas corretoras podem isentar o investidor dessa taxa. Logo, à medida que o valor investido cresce, também aumenta a taxa.  

5 - Imposto de renda

Investidores que ultrapassam R$ 20 mil em ganhos na Bolsa de Valores devem declarar o imposto de renda. Nesse caso, é pago 15% do lucro anualmente. No entanto, a corretagem é descontada.

Qual corretora oferece as melhores taxas?

Primeiramente, para encontrar uma corretora que ofereça valores acessíveis de taxas de corretagem é preciso pesquisar. Além disso, verifique se a instituição é confiável, se o atendimento é ágil e a plataforma está atualizada. Algumas opções são: XP, Modalmais, Easy, Clear, Rico e Inter. XP Investimentos: Cobra R$ 18,90 para operações normais de ações (swing trade), sendo que a taxa de custódia é de 3,9% sobre o valor da taxa de corretagem. Modalmais: Cobra R$ 2,49 pela taxa de corretagem. Porém, não cobra taxa de custódia. Easynvest: Cobra R$ 10 pela taxa de corretagem e não cobra taxa de custódia. Clear: Não cobra taxa de corretagem e nem de custódia. Rico: Cobra R$ 10 para operações normais de ações (swing trade). Porém, não cobra taxa de custódia. Banco Inter: Não cobra taxa de corretagem e nem de custódia.   Artigo em parceria com Mejia Investments – Transformando pessoas comuns em Traders de Sucesso. Confira os cursos exclusivos de Trading na Bolsa da Mejia, aprenda tudo sobre Mercado Financeiro e como operar trading na prática.

Comentário

Notícias mais relevantes