Noticias

O que é Monero?

maio 16, 2018 - 1:16 pm
Conheça o Monero, a criptomoeda focada na privacidade e que permite transações irrastreáveis.

Foco na privacidade com o uso do CryptoNote

O Monero (XMR) é uma criptomoeda descentralizada que utiliza o protocolo CryptoNote, tecnologia que permite o anonimato de transações dentro de uma rede Blockchain. Baseado no princípio de assinaturas em anel, que exige várias chaves públicas, criadas a cada nova transação, o CryptoNote é utilizado por dezenas de criptomoedas anônimas, sendo o Monero a mais popular. Entre suas principais características, podemos citar os pagamentos e transações ocultas, impossibilidade de duplo pagamento, parâmetros adaptáveis e Blockchain mais resistente a análise do que outras criptomoedas.

Monero significa 'dinheiro' em Esperanto

Criada em 2014 com o nome de BitMonero, essa criptomoeda foi lançada por um usuário do fórum Bitcointalk chamado 'thankful_for_today'. Dias depois, os próprios apoiadores da nova moeda digital adotaram somente o nome Monero para designar a criação. Inegavelmente, o anonimato possibilitado pelo Monero acarreta em privacidade não apenas para usuários discretos, como também para criminosos.

Criminosos se beneficiam do anonimato

Em 2016, o Monero teve uma alta valorização como consequência de sua adoção pelo AlphaBay, site da deep web. Meses depois, em 2017, o site acabou sendo fechado pelo departamento de justiça dos Estados Unidos. Neste sentido, cabe ressaltar que o Monero tem sido vinculado a atividades ilegais, como o resgate de dados roubados por hackers. Os benefícios de transações ocultas são usufruídos no tráfico de drogas, fraudes e lavagem de dinheiro, semelhantemente ao que ocorria no AlphaBay. A saber, a privacidade das transações em XMR foi aperfeiçoada em 2017. Ao passo que uma nova versão do sistema de assinaturas em anel foi elaborada, um novo algoritmo foi implementado. Chamado de Transações Confidenciais (CT), o algoritmo oculta a quantidade de XMR de cada transação, adicionalmente à camuflagem da identidade dos usuários envolvidos.

Transações altamente privadas

O Monero se diferencia de outras criptomoedas derivadas do Bitcoin, devido ao uso do CryptoNight, um algoritmo de hash PoW. Derivado do protocolo CryptoNote, ele contribui para o anonimato de transações. O XMR também é baseado no conceito de moeda fungível. Em síntese, isso significa que unidades de XMR são substituíveis. Em outras palavras, é impossível que unidades de XMR associadas a atividades ilegais seja marcadas. Logo, outros usuários não tem como saber se estão comprando Monero proveniente do roubo de identidade na internet, por exemplo. O sistema de assinaturas em anel embaralha os dados do remetente a cada nova transação e assim por diante. Dessa forma, as assinaturas em anel, em conjunto à fungibilidade das unidades, torna impossível o rastreamento das transações de Monero.

Mineração acessível

Com o intuito de proporcionar um método de mineração mais inclusivo, o Monero foi desenvolvido para oferecer maior resistência aos ASICs, as máquinas de circuitos integrados de aplicações específicas. Usadas para a mineração de outras criptomoedas, como o Bitcoin, os ASICs tem alto valor para compra, além de consumirem muita energia elétrica, o que resulta em custos ainda maiores. Em contrapartida, até mesmo essa característica positiva do Monero pode resultar em fraudes. Usuários mal intencionados podem, através de malwares, tirar vantagem de eletricidade e hardware de terceiros, ligados à rede de mineração com seus CPUs.

Comentário

Notícias mais relevantes