Noticias

O que é Ripple?

maio 8, 2018 - 2:00 pm
O protocolo Ripple permite transações financeiras globais de forma barata, segura e quase instantânea. Sua moeda digital, o XRP tem valorizado graças à adesão de grandes bancos à tecnologia.

Protocolo Ripple, o sistema de liquidação em tempo real (RTGS)

O Ripple é um sistema de transações compatível com qualquer tipo de moeda, open source, baseado no princípio de livro-razão aberto e com tecnologia exclusiva de legitimação (consenso). A principal vantagem do protocolo Ripple, ou RTXP (Ripple Transaction Protocol) é proporcionar remessas quase que instantâneas de valores de forma global, independentemente do tipo de unidade de valor. Assim, transferências envolvendo desde Dólares e Bitcoins até milhas aéreas, ou minutos de telefonia, são possíveis, a um baixíssimo custo. Estes benefícios atraíram rapidamente a atenção de grandes empresas do mercado financeiro. Logo, o protocolo Ripple passou a ser incorporado por bancos como o Santander, UniCredit e Ubs. Como resultado, a moeda própria do sistema Ripple, a Ripple XRP, tem registrado grande crescimento, sendo atualmente a terceira criptomoeda em valor de mercado. Isto é, com aproximadamente US$ 31 bilhões, a XRP está atrás somente do Ethereum e do Bitcoin. Adicionalmente, outro fator que influencia para sua valorização é a eliminação de uma pequena fração de XRP a cada transação. Esta 'queima' de unidades contribui para que a XRP se torne cada vez mais escassa conforme o passar do tempo. A saber, foram criadas 100 bilhões de XRP, sendo a maior parte reservada para os seus desenvolvedores (criadores e a Ripple Labs). Atualmente, está em circulação no mercado cerca de 37 bilhões de XRP.

A utilidade e as validações de transações no Ripple

Originário de um projeto de sistema monetário descentralizado de 2004 chamado Ripplepay, a versão atual do Ripple é fruto da intervenção do norte americano Jed McCaleb, que em 2012 introduziu no sistema a idéia de uma criptomoeda. Tendo como parâmetro o Bitcoin, Jed McCaleb optou por desenvolver um sistema onde as transações fossem legitimadas pelo preceito de consenso entre a comunidade, ao invés da mineração. Essa é uma das características que se tornou o Ripple tão atraente para grandes bancos. Neste sentido, o envio de valores entre duas partes ocorre livre da burocrática de confirmação de transferências. Portanto, taxas de transferência e longas esperas por confirmação são eliminadas. Assim, o Ripple se configura como uma tecnologia de infraestrutura bancária, independentemente de sua aplicação para criptomoedas. O consenso, princípio fundamental de sua proposta, é possibilitado pelo uso de outras tecnologias, como o Blockchain. É o Blockchain que funciona como livro-razão, registrando as transações. Este sistema funciona com etapa de livro razão fechado (Ledger fechado), que registra transações concluídas, e livro razão aberto (Ledger aberto), indicando as transações que ainda não passaram pelo consenso.

O algoritmo de consenso do protocolo Ripple e o XRP

Este processo ocorre graças aos 'nós únicos' nos servidores (UNL). São usuários que aplicam o algoritmo de consenso do protocolo Ripple (RPCA) a cada poucos segundos. Eles individualmente processam os dados das transações, impossibilitando combinações e fraudes. Estes usuários passam por uma seleção, que envolve a divulgação de informações como chave de assinatura pública, afiliações e religião. Ademais, organizações independentes também trabalham nesta verificação. A criptomoeda exclusiva, o XRP, é usada para transações dentro do sistema. Assim, é possível usar o XRP como uma forma mais prática de transação. Sem envolver outras moedas, valores equivalentes ao ouro, por exemplo, podem ser convertidos em XRP, para uso em transações complexas. Com tendência a altas valorizações, o XRP também requer um aplicativo carteira específico e pode ser adquirido em casas de câmbio.

Comentário

Notícias mais relevantes