news

O que é Dogecoin? A criptomoeda friendly

junho 25, 2018 - 7:15 pm
Dogecoin é de certo uma palavra que já se explica por si só. A simplicidade em associar cachorro em inglês (dog) e moeda (coin) é tão peculiar quanto a origem dessa cripto. Ela foi criada nada menos do que em uma sutil brincadeira, na qual sua inspiração foi um meme. Isso mesmo. Um meme. Propriamente o meme do Doge, aquele caozinho que você possivelmente deve ter visto alguma vez. Mas só para relembrar, é o Shiba Inu, que falava tudo errado, colorido e em Comic Sans. Essa foi a inspiração para Jackson Palmer, que trabalhava com Marketing da Adobe. Com a criatividade solta, ele estava planejando construir uma moeda com a cara do Doge. Isso claro, em referência a fazer uma piada com as criptomoedas, que no momento, estavam uma verdadeira febre pelo mundo. A realização da ideia se deu quando Billy Markus soube dessa proposta. Na ocasião estava desenvolvendo um novo código para o Bitcoin. E então, se juntou a Markus para colocar o plano em ação. E assim fizeram. No final de 2013 a nova cripto foi lançada.

Dogecoin - a moeda friendly bilionária

Do lançamento até então a identidade da marca sempre foi destacada como uma versão amigável da moeda virtual. Não demorou muito para que esse jeito friendly conquistasse também seu espaço e valorização. Até dezembro de 2016, a cripto vinha em crescimento linear. Esse cenário mudou no ano seguinte, quando a Digecoin teve um surpreendente avanço, com altos picos de valorização. O mais recente deles foi em janeiro atual, quando ultrapassou a marca de U$$ 2 bilhões de dólares. Com essa marca, ela atingiu também o 30º das moedas mais negociadas no Coinmarket. Essa meteórica ascensão é difícil de se explicar, pois a moeda não apresenta recursos tão tecnológicos e significativos, como o bitcoin. Outro aspecto é que ele também não é atualizado há anos. Inclusive, no próprio site da Dogecoin pode-se observar que ele ficou parado no tempo.

Características da Dogecoin

Assim como a essência das criptomoedas, a Dogecoin é descentralizada e peer-to-peer. Logo, não tem qualquer interferência de estado ou governo. Assim como sua transações ocorrem de usuário para usuário. Quanto às negociações, estas são anônimas e seguras dentro da plataforma, que pode ser utilizado tanto em computadores como em smartphones. A Dogecoin também tem sua própria wallet, na qual os usuários administram seus ativos, além de negociá-los no mercado. Como observado, as características são encontradas em outras criptomoedas facilmente.  Um detalhe que merece destaque é que o próprio criador da Dogecoin, Jackson Palmer não faz mais parte da cripto. Ele vendeu sua parte em 2015, se desvinculando totalmente dela. Recentemente ele demonstrou espanto em observar como uma criptomoeda com cara de cão poderia valer mais que um bilhão de dólares. O que talvez ele não pudesse esperar também é que a moeda não só atingisse essa marca, como a manteria por muito tempo. É fato que do começo do ano até a data atual, a Dogecoin perdeu parte dos números obtidos. Entretanto, ainda assim, ela está na 21ª posição das mais negociadas no mercado, com seu valor atualizado em US$ 574.139.636 (atualização às 17h, 06/09). Em síntese, não se pode explicar o sucesso da criptomoeda. Contudo, não pode-se também ignorá-lo.

Comentário

Notícias mais relevantes