Educação Financeira

Tipo de Renda Fixa: Parte 2

maio 17, 2018 - 12:52 pm
Olá leitores da Ucoinvest Brasil, No artigo anterior, falei sobre alguns tipos de renda fixa. Dando andamento a este assunto, explicarei sobre outros tipos de renda fixa, alguns conhecidos outros nem tanto. Fique ligado, vale a pena entender mais sobre investimentos para tomar as melhores decisões para o seu dinheiro. Vem comigo!

Tipo de Renda Fixa: Parte 2

Letra Financeira

Esse tipo de investimento é uma aplicação muito interessante para quem está à procura de uma ótima rentabilidade a longo prazo. Este tipo de renda fixa tem uma aplicação inicial alta, no valor de R$ 150 mil. Contudo, seu rendimento compensa bastante, normalmente bem maior que os títulos, como CDB e LCI/LCA, por exemplo. O rendimento da Letra financeira costuma ser atrelado ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário, índice de referência que fica próximo da Selic). Duas vantagens desta renda fixa são: a incidência da alíquota do Imposto de Renda é menor que outros tipos de investimentos (ficando em 15%) e apresentaa alta rentabilidade (pós-fixada). Vale ressaltar, que este tipo de investimento não pode ser resgatado antes do prazo, ou seja, seu resgate só acontecerá no vencimento do título, que é de, no mínimo, dois anos.

Tesouro Direto

É um Programa do Tesouro Nacional desenhado juntamente com a BM&F Bovespa para venda de títulos públicos federais destinado a pessoas físicas, através da internet. As aplicações iniciais podem ser realizadas com apenas R$ 30,00. O Tesouro Direto contribuiu para a diversificação e complementação das alternativas de investimento disponíveis no mercado, quando passou a  oferecer títulos com diferentes tipos de rentabilidade (prefixada, ligada à variação da inflação ou à variação da taxa de juros básica da economia - Selic), de prazos de vencimento e de fluxos de remuneração. Com tantas opções, fica bem fácil achar um título indicado para a sua necessidade e objetivo financeiro. Uma vantagem de se investir no tesouro direto é a sua boa rentabilidade e liquidez diária, sendo que é a aplicação de menor risco do mercado.

Debêntures

Várias instituições como empresas e o próprio governo podem emitir títulos de dívidas para financiar projetos grandes. Os quais tem a possibilidade de obter mais resultados no médio e longo prazo para os investidores. Portanto, ao comprar uma debênture você se torna um credor do emissor do título. Ou seja, você passará a receber juros pelo valor que está emprestado. As debêntures têm prioridade de pagamento em caso de quebra das empresas envolvidas, por isso são menos arriscadas que ações. Quer investir nesta modalidade de renda fixa, analise as taxas e a saúde financeira da empresa que quer adquirir uma debênture. O melhor caminho é procurar informações com as corretoras de valores que são especializadas e confiáveis, bem como auxiliar na verificação dos títulos ou no mercado de balcão, e analisar os títulos revendidos no mercado.

Fundo de investimento DI

É um tipo de renda fixa com investimento mínimo em 95% dos patrimônios em títulos públicos vinculados a CDI/ Selic. E os outros 5% podem ser investidos em títulos com os mesmos critérios dos Fundos de Curto Prazo. Que normalmente não ocorre nos dias de hoje por causa da nossa economia. Contudo, o desempenho deste produto é muito alto e varia entre 95% a 100% do CDI. Tem como vantagem ser uma ótima alternativa em relação a poupança, ao CDB – normalmente os Fundos DI tem rentabilidade maior ou igual ao CDB. A liquidez diária dar garantias ao investidor sacar a qualquer tempo. Assim, portanto, pode ser considerada uma modalidade sem desvantagens de rentabilidade.

Certificado de Operações Estruturadas (COE)

É um tipo de investimento em renda fixa que permite acessar inúmeros ativos internacionais, como commodities. Além de ações, moedas e índices, incidindo em risco cambial ou não. Considera-se um produto de renda fixa porque o banco emissor o utiliza com um instrumento de captação de recursos. O mesmo que acontece com o CDB, a LCI e a LCA. Resumindo, o banco capta estes recursos e os utiliza para novos empréstimos. Mas para o investidor, o COE não é um CDB porque o retorno dele não é definido antecipadamente. Este tipo de investimento permite ao investidor diversificar sua carteira de títulos. Sendo permitido valores mínimos baixos, com isso, obtém ganhos expressivos, minimizando assim os riscos. Uma boa vantagem deste investimento é a possibilidade de ter ganho da renda variável, mas com a proteção da renda fixa. Isso acontece porque a maioria dos COE emitidos no Brasil (94%) são de capital protegido. Portanto, se a escolha for por este tipo de produto, o investidor saberá desde o princípio quais serão seus as estimativas de ganho. Além de perda ou de retorno nulo.

Pense nisso!

Antes de tomar a decisão por qualquer tipo de investimento, vale analisar o tipo de renda fixa com o seu perfil de investidor. Não faça escolhas que prejudicarão sua vida financeira. Consulte um profissional que irá de orientar para a tomada de decisão mais assertiva. Gostou desses tipos de investimentos em renda fixa? Já conhecia ou já investe nelas?   Coloca seu comentário aqui ou me conta sua experiência sobre investimentos nestes tipos de renda fixa...   Até a próxima. Cris luna, renda fixa

Comentário

Notícias mais relevantes